Intermédio

    Inevitavelmente surgir o equívoco que pintam em todas as tonalidades as partes dualistas. Lá dentro perto de tudo e longe do nada, ou distante de tudo que existia. Sabia que entre o silêncio e o grito há um esconderijo imortal onde aloja as palavras. Entre o bem e o mal há força neutra em fomenta à saciar as ambições egoístas e adormecer os medos. Entre o escuro e o claro há a transparência onde tudo é visível e verdadeiramente sentido. Entre o tempo e a eternidade, há a palavra inventada do não- tempo. Em todas as pontes extremas e antagônicas, havia o intermédio. Naquele horizonte indefinido pela mente e resplandecido pelos sentimentos percorria suas ideologias, utopias, sensações e segredos.

Entre a vida…E a morte….Havia o nada. Depois deste nenhum vivo detinha o conhecimento. Há certeza existe a vida pois existe a morte, os opostos dependem uns dos outros. 

Anúncios

Deixe sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s