Adeus escuridão

 

      Imediatamente, tudo que tinha existência se transformavam bruscamente numa nova abstração tão única e perfeita que até perdia o fôlego só de pensar-sentir. Aquelas novas expressões invadiam todos suas cálidas madrugadas de linhas elaboradas de ares de muita humanidade.

     O pretérito daquela vida que, às vezes, se perdia em tênues escuridão era inexistente, pois  tudo isso foi abolido completamente.  Aquele traço de grandiosa vida trouxe uma luz inesgotável dentro da alma-coração daquela humana vida que pulsava cada vez mais o desejo de fitar a despedida tão leve e saltitante daquela escuridão. Nunca mais veria essa ausência de felicidade em sua vida e dores da desumanidades. Nunca mais seria enganada, traída e desvalorizada. Porque tinha certeza que finalmente seria reconhecida como um mulher de verdade sem estereótipos e dissimulações, assim era apenas o mais natural dela e nada fazia para alternar aquela personalidade.

      Como aqueles mesmos olhares que transmitiam quando sentia algo tão profundo na sua  integridade pensou sorrindo que estava livre. Aquela era uma liberdade conquistada e aprendida duramente, mas sua recompensa era imensurável que tinha uma textura tão macia e “nuvelada” que se perdia em reminiscências tão cheia de graça e paixão que as luzes do dia, tarde e noite percorriam rapidamente por toda a corrente sanguínea da alma daquele coração.

      Tinha muitas expectativas dali em diante. Quais seriam as novas faces de vida que passaria?  Não poderia responder nesse momento o não-tempo que tratou de guardar muitos segredos,  apesar de deixa-la curiosa era um excelente recurso para construir todos os dias o clímax daquela eterna e inesperada história. E as mesmas linhas que fincavam entre as palavras também intermediava a melhor sensação e sentimento que poderia vivenciar. Os olhos nunca mentiam, por mais que pensava que era surreal para não ser realidade tinha certeza que não, pois aqueles olhares comprova a existência de utopias.

 

O Meta-Horizonte, a Meta-Linguagem e a Metonímia

Tudo se consolidou em sorrisos, olhares, gestos, elo em palavras e…

em abraços dignos

Sua humanidade era a parte mais terna que poderia transformar.

TUDO aquilo era grande demais para sentir

O que aqueles olhos expressam que nenhuma palavra conseguia exprimir?

nem em versos e em linhas que representam “metonicamente” um grandioso TUDO

Só consiga se exalar por parte

Pedaço à pedaço construía um poema marítimo que escondia

os seres mais sagradas da terra mesmo que perdia o ritmo

a verdade era sempre declarada de talvez uma alma revelada e ….

Aqueles novos destinos foram os melhores de sua vida

Que sempre diz discretamente:

… … …

o pulsar continua num novo e libertador

compasso e suas mãos é forma de relacionar com a palavra

assim como seu coração é porta-voz de seus sentimentos

e sua verdade é brilho daquele mesmo encontro de olhares:

Ainda a única dúvida é que tinha medo de não saber lidar com tamanha felicidade.

Nas entrelinhas pulsantes II- O verdadeiro reflexo dizia…

      Tudo que antecede verdadeiros sentimentos são apoiados mais do simples e efêmeros desejos, mas sim na pura razão de ser feliz e dignamente humana. Esses seres são apenas encontrados nas linhas do coração em sua atemporalidade de viver e pulsar. Eles sempre caminhavam tão intensamente dentro de si que, na maioria das vezes perdia o fôlego para tentar expressar fielmente o que eles realmente significavam. Todavia, sabia que era praticamente impossível, pois nem mesmo os neologismos davam conta de tamanha grandiosidade.

    Naqueles estalares de verdades descobria uma nova forma de olhar para sua própria vida que jamais pensara que fosse possível. O pedaço do agora está composto dentro da totalidade daquele não-tempo que com aqueles mesmo olhos escuros e ligeiros exalavam em perfume tão acentual que muitas vezes encontrava-se perdido dentro de alguma parte inespecífica. Aquela experiência de se perde era totalmente inovadora e tão surreal que nem a suprarealidade conseguira transmite. Cada minúcia era ainda maior do que poderia compreender-sentir , no entanto, sempre tentava na esperança de conseguir captar toda aquela hiper-totalidade.

    Foi que exatamente na afirmação mais singela descobriu um novo pedaço de sua vida como poderia alguém conhecê-la mais do que ela própria, e também, se sentia tão completa e humana que mais nenhuma forma de palavras pulsantes e sensitivas poderiam dimensionar aquele puro e florescente sentimento.

    Quando aquelas lembranças lideravam não vivia mais presente e sim o passado imperfeito, juntamente, com presente no infinitivo. As linhas sempre percorriam por novos destinos tão esperados que nem mesmo um sonho seria tão pleno e maravilhoso.

    A sua única aflição é de não saber das verdadeiras intenções da eternidade e se aquelas linhas nivelariam aquilo que chamava… Pois ela tinha muita certeza do que elas traçavam.

    Inesperadamente, contemplou uma partícula de agora e observou que toda sua vida começou a fazer sentido quando o espelho do universo admirou favorável para ser levemente feliz e profundamente…

Nas entrelinhas pulsantes: Humanizar-se através…

    Ela vivia todos os dias para salvar sua própria vida, não que precisasse ser salva, pois somente depois de quase vinte anos, finalmente, encontrou um real motivo para ser feliz de verdade. Não que desconsiderasse qualquer outra forma de expressar seu singelo sorriso, mas que apenas neste presente aprendeu viver humanisticamente. Como seria possível atingir tal grandiosidade tão subitamente ? Estava tão desperta dentro de si que milhões de partes gritavam fortes emoções que apenas faziam com que vivesse plenamente. Pensava que seria tão complicado transcender para esse estado de vida mais digno que imaginaria que seria. Até neste presente momento negava a realeza de tudo, pois era difícil acreditar parecia que suas notas melódicas nunca tiveram tanto sentido do que no tempo que respirava paixão e sentia que aquele ar escondia o mistério do…

    Como que poderia ter conhecimento de tudo aquilo ? Desconhecia qualquer forma lógica de racionalizar sentimentos, o que valorizava naqueles instantes eternos era que se sentia humana quando aqueles mesmo olhares de paixão, aquelas mesmas mãos de ternura e aqueles mesmo beijos de inocentes desejos tocavam a parte mais integra e profunda da totalidade daquela alma. Pode ter certeza, não precisava mais oculta para ninguém.

    Quando o tempo congelou e não-tempo domina, inesperadamente, eu me desnudo como autora e assumo minha identidade neste projeto de vida que nivela através destas linhas que só tem uma única origem que é…

    O Ela se transforma num Eu tão digno e sem receio de encontrae com o ser da Felicidade em que guarda todas as mais singulares manifestações de…

    Aquelas reticências eram completadas dentro de si como um leve e intenso sentir que devorava todas as madrugadas de muita humanidade. O seu coração sempre dizia: “Todas as noites eu revelo minhas maiores vitórias, nas manhãs reconstruo minhas lembranças e planejo novas aventuras e nas tardes realizo com estridente e singelo sorriso que é iluminado pelas luzes escuras em que apenas o além da palavras é capaz de exprimir. Tudo aquilo que não é dito é sentido como uma música não cantada e beijo guardado dentro de pequenos pontos como uma margem marítimas que abre caminhos para o infinito. “

….

….  ….

…. ….. ….

…. …. …. ….

     Alguns breves pulsares batem sem parar como se tentasse eterniza cada momento de humanidade provocado pelas suas outras linhas do coração.