Será que todos tem direito à vida?

O sol iluminou aquele lugar

Eles eram únicos que sabiam amar,

eram desprovido de racionalidade e,

mas isso que trazia sua total liberdade.

Isto que era dignidade…

No entanto, os malfeitores tinham uma meta…

Acabar com toda aquela felicidade,

Depois de uma enorme carnificina

Daquele momento em diante o sol não raiava mais.

A noite prevalece como silêncio assombroso,

Os seres humanos conseguiam mais uma vez,

extinguirem todos os animais, talvez..

Eles renasçam e nos ensinam a viver dignamente

TODOS TEM DIREITO À VIDA DIGNA!!!

No entanto, isto não se aplica..

As galinhas gorduchas, as majestosas vacas e bois

Coloridas e esbeltas araras, capivaras e  outros pássaros e animais,

que viviam depois da morte,

onde não havia outro norte

Além de amar perpetuamente…

Anúncios

Meia um

    O homem forte e musculoso, dentro de um severo terno preto surpreende o jovem tímido e magro escrevendo. Arranca os papéis da sua mão, dá uma lida de alguns minutos e grita enfurecido:

– Você é a vergonha da nossa família! Você vive sendo engando por todos, não sabe negociar, não sabe como ganhar a vida. Escreve coisas que ninguém entende, e graças a isso sou motivo de riso entre a comunidade. Você é um inútil , um parasita, um fraco sem serventia!

    O jovem apanhou os papéis que o velho havia jogado no chão e ordenou-os sobre a mesa. Depois virou-se para o pai e deu-lhe um violento soco. Golpeou-o ainda com um forte jab de direta e um upercut de esquerda que o nocauteou. Pegou o guarda-chuva e saiu para a rua em direção à casa de Milena.

    Foi o dia mais feliz de Fraz Kafka.

(Fausto Wolff)

O muro

Tudo que os olhos refletem 

                                  Nesses caminhos que se seguem 

Cada um dentro de sua verdade 

                                                                      Será isso uma identidade?. Talvez leve para felicidade 

Todos induzindo ao vários pontos em conexão

Entre a vida e morte                                                                                                                                                   Entre positivo e negativo 

 Fico no intermédio

         Desconheço o remédio 

                                   Em cima do muro 

                                             Depois tudo fica escuro 

                                                       Causa-me um acalentamento

                                                                  O entendimento e sentimento da noite 

                          O mundo silencia                                                                          

Juntamente com meus:temores e dores                                                  

                                  Em cores sombrias que pintava minha alma                                                

Isso está dentro de mim                                                                                            

A essência é imutável                                                                                                        

Não importa a determinação                                                                                                           

Isso está dentro e não há mudança                                                                                                             

 Que inglória!, preciso de libertação                                                                                                               

E listra minha própria história                                                                                                                        

(…)

A epidemia

       Em todos os lugares, cantos, pensamentos. Em todos os tempos e cada respiração. Eles estão em ascensão, fugazmente. Estão em órbita do universo da hipocrisia, da dest left suali retira a seiva para alimentar sua sabedoria limitada. Um conjunto de leis e morais que fazem parte da mesmo sistema burocrático na ostentação de um e hegemônico poder. O reino é construído pelo sangue da população. Em cima do silêncio da multidão, lideram e dominam a Terra. Onde chegará tudo isso? Até quando suportaremos…..Até a morte. Entre a sabedoria e a ignorância há o homem sua mediocridade e ganância. A doença em que todos estão contaminados uma epidemia.

Terra em Transe 

Narrador: “Ah, não é possível acreditar que tudo isso seja verdade!/Até quando a além da fé e da esperança suportaremos ? / Até quando além da paciência e do amor suportaremos ? / Até quando além da inconsciência do medo, suportaremos (…).”

 Díaz: Aprenderão, aprenderão. Dominarei essa Terra.

Paulo: O que prova sua morte ? O triunfo da beleza e da justiça.”

O tumor do mundo

“Devo concluir que viver provoca câncer? É claro que provoca, mas vivemos mesmo assim.”- Ferreira Gullar


    A vida no cubículo egoísta, eram carnes enfermas que infectavam o mundo. Uma imensa célula que mantinha os parasitas enclausurados dentro de seus anseios, nutrido a vida que decaia no abismo. Nas profundidades inertes. Um vazio nas poeiras do saber.  Aquela vida que destinava a única certeza inevitável, a morte. Ou estavam mortos esperando viver. Nada provado, agnóstico das mentes perdidas.

     Apenas sustentava-se em alguma motivação escrita no ar, em que respiravam. A única fonte de vitalidade era perfurar gradativamente o manto endurecido do mundo.  Era um sacrifício, se suicidavam para conseguirem sobreviver. Vivendo e proliferando o imenso tumor do mundo, retirando da energia vitaliza para alimentar as moléstias. Incurável, incerto seria distinguir, mas algo mantinham vivos.

    Os parasitas do mundo. Adoentados pela ânsia da felicidade e ganância do poder, perdido no caminho sem distância. Onde se encontra uma escapatória? No caminho perdido da insanidade. O remédio era a verdade mentirosa das palavras escritas pela tinta do coração. Um sentido incompreensível. Como tudo era efêmero na letargia que mutilava a alma. Aquilo era sobrevivência, o passo do fim sem despedida.